Senhor dos Mortos

“Para esse fim, Cristo morreu e viveu novamente, para que ele fosse o Senhor, tanto dos mortos como dos vivos” (Romanos 14: 9). Jesus é o Senhor dos mortos. É como dizer que o presidente Reagan é o comandante-chefe de todos os soldados do cemitério nacional de Arlington. Não é um exército muito impressionante. Não é um escritório de liderança muito significativo.

Eu apenas olhei para as costas da minha mão. Se eu esticar meus dedos para fora da pele nas costas das minhas mãos, e os vincos que conectam os poros às formas de diamante são mais profundos do que eram há um ano. Isso me lembra que nem sempre vou estar vivo. Estarei morto um dia desses. Jesus é meu Senhor agora e ele será meu Senhor então.

O que isto significa?

Era a Semana Santa, quando os saduceus colocavam Jesus à prova (ver Mateus 22: 23–33 para o seguinte relato). Os saduceus não acreditam na ressurreição. Então, eles tentam fazer a crença parecer ridícula: uma mulher tem sete maridos, um após o outro, à medida que cada um morre. De quem mulher ela estará na ressurreição? Ha ha ha.

Jesus não ri. Ele diz: Você é reprovado, porque você não conhece a Bíblia ou o poder de Deus. Os saduceus colocam muito menos estoque nos profetas do que nos cinco livros de Moisés. Daniel, por exemplo, deve ter se empolgado quando escreveu que “muitos dos que dormem no pó da terra acordarão, alguns para a vida eterna e outros para vergonha e desprezo eterno” (Daniel 12: 2). E Isaías deve ter deixado sua mente vagar quando disse: “Seus mortos viverão; seus corpos devem subir. Você que habita no pó, acorda e canta de alegria! ”(Isaías 26:19). Os saduceus preferiam o robusto e realista Moisés. Ele nunca disse nada sobre ressurreição.

Então Jesus concorda em jogar na quadra deles. Ele diz: “Você não leu no livro de Moisés, na passagem sobre a sarça, como Deus falou com ele: 'Eu sou o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque e o Deus de Jacó'? Ele não é o Deus dos mortos, mas dos vivos ”(Marcos 12: 26–27). Você é reprovado. A questão não é que Deus disse: "Eu sou o Deus de Abraão". Os saduceus saberiam que isso é apenas brincar com as palavras. O ponto é que Deus disse: "Eu sou o Deus de Abraão". A suposição é: se Deus é seu Deus, há tanto poder trabalhando para você que você nunca pode ser roubado da vida.

Mas agora voltemos a Jesus, que é o Senhor dos mortos. Não é estranho que Jesus diga: Deus não é o Deus dos mortos, mas Paulo deveria dizer: Jesus é o Senhor dos mortos? Não é tão estranho se deixarmos que a palavra de Jesus nos ajude a interpretar a palavra de Paulo. Se Deus não pode ser Deus dos mortos, então Jesus não pode ser o Senhor dos mortos. Ou seja, ele não pode governar as pessoas que ficam na sepultura. Aqueles a quem ele governa vivem ! Se Jesus é o Senhor dos mortos, eles não estão mortos! Se Deus é o Deus de Abraão, Abraão não está morto!

À medida que minha mão fica mais e mais enrugada, nisto espero: Jesus é o Senhor dos mortos. E, portanto, eles não estão mortos. Por isso, ele morreu e viveu novamente. "Quem crê em mim, se morrer, viverá" (João 11:25). Louve o Senhor! O Senhor dos mortos que não estão mortos!

Recomendado

Colocando o "cristão" na amizade cristã
2019
Do médico à mãe que fica em casa
2019
Corrida, Olhando para o Finalizador
2019