Jesus chorou

Ele parecia composto enquanto se aproximava da cidade. A irmã de seu amigo morto o encontrou lá fora. Ele a consolou com verdade e graça. Mas então ele viu a outra irmã, manifestamente mais emocional. E ele começou a chorar.

Jesus chorou.

Apenas duas palavras simples, e ainda assim elas carregam um mundo de significado. João 11:35 é o verso mais curto de toda a Bíblia, mas um dos mais poderosos e perspicazes. Com razão, essa menor das sentenças recebeu um número próprio.

Aqui encontramos um vislumbre notável da glória do Senhor do universo.

Suas emoções humanas

“Um homem de dores”, predisse o profeta, “e conheceu a tristeza” (Isaías 53: 3). Sim, ele era um homem de dores, mas não o dele. “Certamente ele suportou nossas dores e carregou nossas tristezas” (Isaías 53: 4). Por seu amor ser grande, ele fez as nossas dores por conta própria.

Não é inerentemente impressionante ter um rei que chora. Mas é um grande consolo ter um soberano que não apenas conhece nossa estrutura (Salmo 103: 14) e o que há em nós (João 2:25), mas também compartilha de nossa carne e sangue (Hebreus 2:14).

O próprio Deus assumiu a nossa humanidade neste homem. E com isso, nossos sentimentos. E com eles, até nossas tristezas. Somos finitos e frágeis. Mas Deus nos deu emoções poderosas. Nós celebramos. Nós lamentamos. Nós nos alegramos. Nós choramos. E fazemos isso com Jesus como um de nós.

"Cristo colocou nossos sentimentos junto com nossa carne", escreve João Calvino. Nos Evangelhos, Jesus manifesta claramente as emoções humanas. Quando ele ouviu as palavras de fé do centurião, "ele se maravilhou" (Mateus 8:10). E ele diz no Getsêmani que sua “alma está muito triste até a morte” (Mateus 26:38). Hebreus 5: 7 diz que orou "com grandes gritos e lágrimas".

Mas ninguém nos mostra as emoções verdadeiramente humanas de Cristo como seu discípulo amado João - seja amor ou raiva.

Do Amor às Lágrimas

Que ele amava Lázaro e suas duas irmãs não podia ficar mais claro em João 11. Versículo 5: “Agora Jesus amava Marta e sua irmã e Lázaro.” Versículo 36: As pessoas dizem, em resposta ao choro de Jesus: “Veja como ele o amava!

Jesus não chorou porque não tinha fé, mas porque estava cheio de amor. Apaixonado, ele chora com aqueles que choram. “Quando Jesus a viu chorando, e os judeus que a acompanhavam também choraram, ele ficou profundamente comovido em seu espírito e muito perturbado ” (João 11:33).

E isso mesmo quando ele sabia que Lázaro se levantaria. Ele havia dito aos seus homens: “Esta doença não leva à morte. É para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por meio dela ”(João 11: 4). E novamente: “Nosso amigo Lázaro adormeceu, mas eu vou despertá-lo” (João 11:11). E, no entanto, Jesus chorou.

Da raiva às lágrimas

Mas suas lágrimas não são apenas do seu amor. Ele tem raiva justa pela morte e descrença. John diz que está "profundamente comovido em seu espírito e muito perturbado" - literalmente, está indignado e inquieto. Ele está indignado e perturbado.

A mesma palavra que é “profundamente comovida” aqui é um aviso severo em outro lugar (Mateus 9:30; Marcos 1:43), até uma repreensão (Marcos 14: 5). É um termo sério. “No grego extra-bíblico, pode se referir ao bufar de cavalos; aplicado aos seres humanos, invariavelmente sugere raiva, indignação ou indignação emocional. . . . É lexicamente indesculpável reduzir essa perturbação emocional aos efeitos da empatia, da dor, da dor ou coisas do gênero ”(DA Carson, John, 415-416). E Jesus é assim "profundamente comovido de novo" quando ele chega ao túmulo de Lázaro no versículo 38.

Mas ele também está “muito perturbado”. Ele está abalado, inquieto. Enquanto fica frente a frente com a morte, ele sabe o que será necessário para conquistar esse inimigo. Desta vez, ele retirará Lázaro de suas mandíbulas. Da próxima vez, ele dará a própria vida.

Aí vem problema

E ele ficará perturbado novamente. Quando chega sua hora, ele ora: “Agora minha alma está perturbada . E o que devo dizer? 'Pai, salva-me desta hora'? ”(João 12:27). Ao reconhecer o traidor, e o que isso significa, “Jesus ficou perturbado em seu espírito e testificou: 'Em verdade, em verdade vos digo que um de vocês me trairá'” (João 13:21).

Este é um problema que ele deve enfrentar. Seus discípulos não podem fazer isso com ele. Na verdade, ele faz isso por eles. E assim ele lhes diz: “Não se perturbe o seu coração” (João 14: 1), e novamente: “Não se perturbe o seu coração, nem se amedronte” (versículo 27). Ele enfrentará esse medo para que sejam poupados.

Mas o amor dos versículos 5 e 36, e a indignação do versículo 33, leva então às lágrimas do versículo 35. Porque ele amava, e porque encarava a morte, indignado com o mal e determinado a não suportar, ele caiu em prantos. Eles estavam chorando. Mas Jesus chorou.

Tais lágrimas resultam da falta de fé. Esse choro é precisamente a resposta da fé. “O mesmo pecado e morte”, diz Carson, “a mesma incredulidade, que provocou sua indignação, também gerou sua tristeza. Aqueles que seguem Jesus como seus discípulos hoje fazem bem em aprender a mesma tensão - que a tristeza e a compaixão sem indignação reduzem-se a meros sentimentos, enquanto a indignação sem tristeza endurece em arrogância e irascibilidade hipócritas ”(416).

Das lágrimas à ação

O choro de Jesus não vem do desespero e da resignação. Essas não são as lágrimas de quem se realizou sem poder e está pronto para desistir. Em vez disso, essas são as lágrimas de afeto e raiva misturados, levando à ação. Ele ressuscitará Lázaro.

Essa morte será superada, mas isso não significa que não será lamentada. E sua própria morte será a grande superação, mas não ocorrerá sem dores excruciantes. Ele passará pelas maiores tristezas. Ele clama: “Meu Deus, meu Deus, por que você me abandonou?” (Mateus 27:46).

Quando Lázaro ressuscitar, ele retornará à estrada do Calvário para seu confronto final com pecado e morte.

Ele enxuga as lágrimas

Jesus chorou. E nessas lágrimas, vemos que Deus não se afasta das dores de nossa existência. Ele se aproximou. Ele tomou nossa carne e sangue. Ele não nos chamou para uma humanidade que ele próprio não estava disposto a aceitar. Não fomos abandonados para um mundo em que ele não estava disposto a entrar. Não sofremos nenhuma dor que ele não estava disposto a suportar. Não temos tristeza que ele não estava disposto a carregar.

“Deus não se afasta das dores de nossa existência.” Twitter Tweet Facebook Compartilhe no Facebook

Jesus chorou. Ele não se considerava acima de nossas agonias, mas se esvaziou de privilégios ao assumir nossa forma, nascendo à nossa semelhança (Filipenses 2: 7). O cerne da mensagem cristã é que o feliz Deus amou tanto o nosso mundo que chorava que deu seu próprio Filho para chorar conosco, até o lugar de total abandono, que todo aquele que nele crê não chorará para sempre, mas alegria eterna.

E um dia, quando ele enxuga todas as nossas lágrimas, não é porque ele está suprimindo nossa tristeza. Quem enxuga nossas lágrimas derramou as suas. E ele triunfou.

Este é o nosso evangelho em duas palavras. Jesus chorou.

Recomendado

Quando seus vinte anos são mais escuros do que você esperava
2019
O cristianismo sem alegria é perigoso
2019
Deixe a Quaresma para trás - e rápido
2019