A insanidade de se apoiar em nosso próprio entendimento

Confie no Senhor com todo o seu coração e não se apóie no seu próprio entendimento. De todas as formas, reconheça-o, e ele endireitará seus caminhos. (Provérbios 3: 5–6)

Quando a Bíblia nos diz neste versículo para não nos basearmos em nosso próprio entendimento, isso não está nos encorajando a ser irracionais. A Bíblia não coloca nenhum muro de separação entre nosso intelecto e fé. De fato, o livro de Provérbios fala muito bem de entendimento:

  • “[Incline] seu coração para a compreensão” (Provérbios 2: 2).

  • “Levante sua voz para entender” (Provérbios 2: 3).

  • “O entendimento te guardará” (Provérbios 2:11).

  • “Abençoado é quem. . . obtém entendimento ”(Provérbios 3:13).

  • "A sabedoria repousa no coração do homem compreensivo" (Provérbios 14:33).

  • "O coração daquele que tem entendimento busca conhecimento" (Provérbios 15:14).

  • “Obter entendimento é ser escolhido em vez de prata” (Provérbios 16:16).

  • “Compre sabedoria, instrução e entendimento” (Provérbios 23:23).

Então, se devemos entender, por que não devemos confiar nisso?

O que nos dizem para não nos apoiarmos é em nosso “próprio entendimento”, significando conclusões baseadas principalmente em nossas próprias percepções. Porque nosso próprio entendimento simplesmente não suporta todo o peso da realidade. Isso nunca foi planejado.

A insanidade de confiar em nós mesmos

Vamos voltar ao jardim do Éden. A única árvore no jardim da qual os humanos foram proibidos de comer não era, curiosamente, a árvore da vida (Gênesis 2: 9). Não foi a vida que Deus negou os seres humanos. Ele os proibiu de comer da árvore do conhecimento do bem e do mal (Gênesis 2:17).

“Nosso próprio entendimento simplesmente não suporta todo o peso da realidade. Isso nunca foi planejado. ”Twitter Tweet Facebook Compartilhe no Facebook

O objetivo dessa proibição não era manter os humanos ignorantes, mas, como diz John Piper, "preservar [para nós] os prazeres do mundo". Era como se Deus estivesse dizendo:

Se você comer dessa [árvore], estará me dizendo: “Sou mais esperto que você. Eu sou mais autoritário que você. Eu sou mais sábio do que você. Acho que posso me cuidar melhor do que você se importa comigo. Você não é um pai muito bom. E assim, eu vou rejeitá-lo. ”Então, não coma da árvore, porque você estará rejeitando a mim e a todos os meus bons presentes, toda a minha sabedoria e todo o meu cuidado. Em vez disso, continue se submetendo à minha vontade. Continue afirmando minha sabedoria. Continue agradecendo a minha generosidade. Continue confiando em mim como Pai e continue comendo dessas [outras] árvores como uma maneira de me divertir.

Veja que, para lidar com o conhecimento do bem e do mal, é preciso possuir (1) a capacidade de compreender completamente todas as opções e contingências possíveis (onisciência), (2) a retidão e a sabedoria para escolher o caminho certo, e (3) ) o poder de tornar a realidade conforme o caminho certo (onipotência).

Em outras palavras, somente Deus pode lidar com esse conhecimento.

O que isso significa é que não é aquele que confia no Senhor que é irracional, mas aquele que se apóia em seu próprio entendimento. É insano confiar em um entendimento tão lamentavelmente limitado quando alguém pode confiar no entendimento ilimitado de Deus.

A alegre sanidade de confiar no Senhor

Muitas das coisas que nos causam mais dificuldades e angústias na vida, a fonte de grande parte de nossa ansiedade, medo, dúvida e raiva com os outros e com Deus, é o resultado de nos apoiarmos em nosso próprio entendimento.

“Estamos repousando nosso intelecto no intelecto de Deus. Nada é mais sábio ou mais saudável. ”Twitter Tweet Facebook Compartilhe no Facebook

Deus não quer que sejamos infelizes, mesmo nesta era do mal caída e infectada pela futilidade. Ele quer aliviar nossa ansiedade (Lucas 12: 11–12; Filipenses 4: 6–7), medo (Salmo 118: 6; 1 Pedro 3: 6), dúvida (Mateus 21:21; Lucas 24:38) e ira pecaminosa (Efésios 4:31). E assim, ele nos dá Provérbios 3: 5–6 como um presente de valor inestimável.

Ao exercitar a fé - confiando plenamente no Senhor e não apoiando-nos em nosso próprio entendimento - não estamos deixando de lado nosso intelecto. Estamos descansando nosso intelecto no intelecto de Deus. Nada é mais sábio ou mais saudável. Fazer isso é permitir que ele direcione nossos caminhos, que não apenas levam à alegria suprema, mas também fazem a jornada em si, mesmo carregada de tristeza, alegre (2 Coríntios 6:10). E preserva para todos os prazeres que Deus nos proporciona no mundo. Não fazer isso é o auge da loucura e o caminho para a miséria.

Então, vamos escolher a alegria hoje, não nos apoiando em nosso próprio entendimento, mas em doce e infantil confiança no fundamento seguro da onisciência de nosso amado Criador.

Recomendado

Mal-estar
2019
Um Reed machucado que ele não quebrará
2019
Mais forte
2019