Fale com Deus sobre sua ansiedade

A ansiedade é uma espécie de medo. É o medo paralisante do "e se". É o medo de que algo que tememos possa se tornar realidade.

Só existe uma solução para a ansiedade: a garantia de que tudo ficará bem.

Mas o mundo não nos dá tais garantias. Nos encontramos cercados por uma miríade de perigos reais, resultando em uma lista interminável de "e se". Não é de admirar que os seres humanos sejam tão afetados pela ansiedade. E nossas ansiedades apenas aumentam nossa miséria adicionando incontáveis ​​perigos imaginados aos reais à nossa frente.

Antídoto para a ansiedade

Mas deus Deus, o Filho, entrou neste mundo perigoso e demoníaco, onde até os maiores esforços do homem para garantir a segurança são derrotados decididamente pela morte. E quando o fez, ele fez a afirmação mais audaciosa já proferida pelos lábios humanos: para cada pessoa que acredita nele, tudo ficará finalmente, gloriosamente, eternamente, inexprimivelmente, maravilhosamente bem (João 3:16; 11: 25– 26) Então, para demonstrar a realidade de sua reivindicação e, portanto, sua confiabilidade, ele decidiu derrotar a morte e anunciou que "toda autoridade no céu e na terra" lhe fora dada (Mateus 28:18).

Com essa autoridade, ele diz a todos que crêem nele: “Portanto, eu lhes digo: não se preocupe com a sua vida” (Lucas 12:22). Jesus - e todas as promessas que agora são sim nele (2 Coríntios 1:20) - são o antídoto para a ansiedade. O que ele realiza por nós e promete para nós é o triunfo final sobre tudo que nos aterroriza. Ele não nos promete escapar da miséria neste mundo. Ele promete redimir toda miséria (Romanos 8:28) e que nele venceremos o pior que o mundo pode fazer conosco (João 16:33; Romanos 8: 35–39).

Comando impossível?

Em Cristo, tudo estará finalmente, gloriosamente, eternamente, inexprimivelmente, maravilhosamente bem. Portanto, Jesus diz a você e a mim, agora, exatamente onde estamos: “Não fique ansioso.” Ele diz isso conhecendo nosso passado, nosso temperamento, a seriedade de nossas crises atuais e o quão intenso tememos o possível. o medo pode se tornar realidade.

“Em Cristo, tudo ficará um dia gloriosamente, eternamente, maravilhosamente bem.” Twitter Tweet Facebook Compartilhe no Facebook

"Não fique ansioso" pode parecer um comando impossível. Mas isso não deveria nos surpreender. Jesus ordena que acreditemos que “todo aquele que vive e crê [nele] nunca morrerá” (João 11:26). Jesus ordena que nos amemos uns aos outros, assim como ele nos amou (João 15:12). Jesus nos ordena a renunciar a tudo o que temos (Lucas 14:33), o que pode significar vender nossos bens abundantes e entregá-los aos pobres, porque estamos mais confiantes nos tesouros que temos no céu (Marcos 10:21).

Obviamente, o comando para não ficar ansioso é humanamente impossível. Mas, como em quase todas as outras ordens para o cristão, “para o homem é impossível, mas não para Deus. Pois tudo é possível para Deus ”(Marcos 10:27).

A única maneira de cumprirmos esse mandamento é “pela oração e súplica com ações de graça”, tornando nossos pedidos conhecidos por Deus, confiando em uma promessa específica. Então a paz dele, superando todo o nosso entendimento, guardará nossos corações e mentes em Cristo (Filipenses 4: 6–7). Lançamos nossas ansiedades a Deus (1 Pedro 5: 7) e deixamos de estar ansiosos na força que ele fornece (1 Pedro 4:11).

Não fale com suas ansiedades

Suas ansiedades falam com você. Não fale com eles. Fale com Deus.

Isso normalmente é difícil, porque as ansiedades geralmente se disfarçam em nossa imaginação. Eles se sentem como cenários realistas e, portanto, emocionalmente convincentes para se concentrar. As ansiedades podem até se passar por elas, assumindo a forma de pessoas - geralmente pessoas que conhecemos. Estes são alguns dos mais insidiosos a combater.

Na vida real, essas pessoas podem ser membros da família ou amigos ou membros da igreja ou colegas de trabalho ou conhecidos ou pessoas que apenas conhecemos por reputação. Podem ser pessoas com quem discordamos sobre um assunto, ou com quem temos uma tensão relacional, ou com quem estamos em conflito sério. Podem ser pessoas que tememos que não nos entendam mal, ou temer desapontar, ou expor nossa fraqueza ou ignorância diante de nós, ou temer confrontar com uma verdade dura, ou cujo pecado tememos ser um sintoma de profundas questões espirituais ou cuja influência nós o medo pode prejudicar nosso ente querido ou nossa igreja.

Quem eles realmente são, algo sobre eles provoca ansiedade em nós. E nossa ansiedade pode chegar até nós em nossa imaginação, na forma dessa pessoa, e começar a conversar conosco. Diz coisas provocativas para nós, e nós respondemos. Antes de conhecê-lo, nos envolvemos em uma longa discussão em nossas cabeças, que desperta todo tipo de emoções pecaminosas e nos leva a pensar e a sentir a falta de caridade em relação à pessoa real. Mas não conversamos com eles. Conversamos com a nossa ansiedade - conversamos com nós mesmos e pecamos não apenas em satisfazer a ansiedade sem fé, mas em deixar de amar essa pessoa.

Deus nunca nos instrui nas Escrituras a combater a ansiedade discutindo com ela. Isso nunca funciona. As escrituras apenas nos instruem a lançar nossa ansiedade sobre Deus em oração e confiar nele para satisfazer nossas necessidades, sejam elas quais forem (1 Pedro 5: 7; Filipenses 4: 6-7, 19).

Nem toda ansiedade é pecado

Existe uma ansiedade justa, como a de Jesus no Getsêmani (Mateus 26: 38–39), a de Paulo pelas igrejas (2 Coríntios 11:28), e as preocupações piedosas dos pais sobre as influências espiritualmente perigosas que seus filhos enfrentarão no mundo. Os cristãos na América não estão necessariamente pecando se sentirem uma forma de "ansiedade" pela progressão do mal abraçado e institucionalizado na nação. A Bíblia nos dá a garantia de sentir uma preocupação ansiosa, em certo sentido, sobre os efeitos destrutivos reais ou potenciais do mal sobre almas preciosas.

“As escrituras nos instruem a lançar nossa ansiedade sobre Deus e confiar nele para atender às nossas necessidades.” Twitter Tweet Facebook Compartilhe no Facebook

O que impede essas ansiedades de se tornarem pecadoras é quando nós, como Jesus e Paulo, traduzimos nossas preocupações alimentadas pelo medo em pedidos de oração, tecendo-as com ações de graças pelas graças que recebemos de Deus e todas as promessas que ele nos fez (2 Pedro 1 : 4) e entregue-os a Deus. Quando isso ocorre, ocorre uma troca espiritualmente bela: Deus recebe a glória como o objeto abundantemente generoso e suficiente de nossa fé (2 Coríntios 9: 8), e recebemos as alegrias de experimentar a mente e o coração que guardam a paz que ultrapassa a nossa. compreensão antes de recebermos nosso pedido (Filipenses 4: 6–7), bem como a provisão que precisamos.

A oração é a chave para escapar do laço da ansiedade pecaminosa. Não dê ouvidos às suas ansiedades e não responda a elas. Cuidado especialmente com ansiedades disfarçadas. Dirija seu discurso a Deus e lance todas as suas preocupações com "e se", porque só ele pode lhe dar a garantia de que tudo ficará bem.

Recomendado

Antes de acreditar, você pertencia
2019
Vamos encontrar "graça por uma ajuda oportuna" juntos
2019
Cantando para silenciar o inimigo
2019