Deus realmente nos salva apenas pela fé?

Os primeiros grandes reformadores como Martin Luther, John Calvin e Ulrich Zwingli nunca resumiram seus ensinamentos com o conjunto organizado de cinco frases que agora conhecemos como os cinco solas . Os solas se desenvolveram ao longo do tempo como uma maneira de capturar a essência do que a Reforma tratava principalmente em sua disputa com a Igreja Católica Romana.

Sola é latim para "sozinho" ou "apenas". Os cinco solas são sola gratia (somente pela graça), solo Christo (apenas com base em Cristo), sola fide ( somente pelos meios da fé), soli Deo gloria ( somente para a glória suprema de Deus), sola Scriptura (conforme ensinado apenas com a autoridade final e decisiva das Escrituras).

Justificação Sozinho

Penso que esses cinco solas podem ser preciosamente esclarecedores, tanto para o cerne da Reforma quanto para a essência do próprio evangelho cristão, que obviamente era central na disputa. Eu digo que elas podem ser úteis porque cinco frases preposicionais penduradas no ar, sem cláusulas a serem modificadas, não ajudam a esclarecer o motivo da grande controvérsia da Reforma, nem esclarecem a essência do verdadeiro evangelho cristão.

A cláusula que permite que essas frases preposicionais modificadoras realizem seu trabalho maravilhosamente esclarecedor em prol da essência do evangelho e do coração da Reforma é a cláusula: Somos justificados diante de Deus. . . ou Justificação diante de Deus. . .

“Todas as cinco frases modificam a obra de justificação de Deus - como os pecadores ganham uma posição correta com Deus, para que ele seja cem por cento por nós.” Twitter Tweet Facebook Compartilhe no Facebook

Somente após justificação as cinco frases preposicionais podem seguir e fazer seu trabalho magnífico para definir e proteger o evangelho de toda diluição não-bíblica. Somos justificados por Deus somente pela graça ; somente com base no sangue e na justiça de Cristo ; somente pelos meios, ou instrumentos, da ; somente para a glória suprema de Deus ; como ensinado com autoridade final e decisiva somente nas Escrituras . ”Todas as cinco frases servem para modificar a obra de justificação de Deus - como os pecadores ganham uma posição correta com Deus, para que ele seja cem por cento a nosso favor e não contra nós.

Não substitua pelos Solas

Se você substituir outras cláusulas além de “Somos justificados . . . ”Como“ Somos santificados . . . ”Ou“ Seremos finalmente salvos no último julgamento. . . ”, Então o significado de algumas dessas frases prepositivas deve ser alterado para ser fiel às Escrituras. Por exemplo,

  • Na justificação, a fé recebe uma obra consumada de Cristo realizada fora de nós e contada como nossa - imputada a nós.

  • Na santificação, a fé recebe um poder contínuo de Cristo que trabalha dentro de nós para a santidade prática.

  • Na salvação final no último julgamento, a fé é confirmada pelo fruto santificador que produziu, e somos salvos através desse fruto e dessa fé. Como Paulo diz em 2 Tessalonicenses 2:13, “Deus escolheu você como as primícias a serem salvas, através da santificação pelo Espírito e crença na verdade .”

Como somos finalmente salvos?

Especialmente no que diz respeito à salvação final, muitos de nós vivemos em uma névoa de confusão. James viu em seus dias aqueles que tratavam a “fé somente” como uma doutrina que afirmava que você poderia ser justificado pela fé que não produzia boas obras. E ele disse veementemente não a essa fé.

  • A fé sem obras é morta (Tiago 2:17).
  • É como um corpo sem fôlego (Tiago 2:26).
  • É como uma energia sem efeito (Tiago 2:20) e sem conclusão (Tiago 2:22).
  • Se existe fé justificativa, ela tem obras (Tiago 2:17).

Então, ele diz: “ Mostrarei minha fé pelas minhas obras” (2:18). As obras virão da fé.

“A fé que só justifica nunca está sozinha, mas sempre produz frutos transformadores.” Twitter Tweet Facebook Compartilhe no Facebook

Paulo afirma tudo isso porque disse em Gálatas 5: 6: “Em Cristo Jesus, nem a circuncisão nem a incircuncisão contam para nada, mas apenas a fé que opera através do amor ”. O único tipo de fé que conta para justificação é o tipo que produz amor. - o tipo que dá o fruto do amor. A fé que só justifica nunca está sozinha, mas sempre produz frutos transformadores. Então, quando Tiago diz essas palavras controversas: “Uma pessoa é justificada pelas obras e não apenas pela fé” (Tiago 2:24), eu entendo que ela não quer dizer pela fé que está sozinha, mas que se mostra pelas obras.

Paulo chama esse efeito ou fruto ou evidência de fé de "obra da fé" (1 Tessalonicenses 1: 3; 2 Tessalonicenses 1:11) e de "obediência da fé" (Romanos 1: 5; 16:26). Essas obras de fé e essa obediência da fé, esses frutos do Espírito que advêm da fé, são necessários para nossa salvação final. Sem santidade, sem céu (Hebreus 12:14). Portanto, não devemos falar em chegar ao céu somente pela fé, da mesma maneira que somos justificados somente pela fé.

Essencial para a vida cristã e necessário para a salvação final é a morte do pecado (Romanos 8:13) e a busca da santidade (Hebreus 12:14). Mortificação do pecado, santificação na santidade. Mas o que torna isso possível e agradável a Deus? Nós matamos o pecado e buscamos a santidade a partir de uma posição justificada em que Deus é cem por cento para nós - já - apenas pela fé.

Primeiro bíblico, depois reformado

“Somente a fé não significa a mesma coisa quando aplicada à justificação, santificação e salvação final.” Twitter Tweet Facebook Compartilhe no Facebook

Portanto, somente a fé não significa a mesma coisa quando aplicada à justificação, santificação e salvação final. Você pode ver que cuidado e precisão extraordinários são necessários para ser fiel às Escrituras ao usar os cinco solas. E como “ somente as Escrituras” é nossa autoridade final e decisiva, ser fiel às Escrituras é o objetivo. Nosso objetivo é ser bíblico primeiro - e reformado somente se seguir as Escrituras.

Os cinco solas fornecem uma clareza maravilhosa sobre o cerne da Reforma e o coração do evangelho, se a cláusula que as cinco frases preposicionais modificam for “Justificação diante de Deus. . . ”A justificativa diante de Deus é somente pela graça, sem nenhum favor merecido; somente com base em Cristo, sem outro sacrifício ou justiça como fundamento; somente pelos meios da fé, sem incluir nenhuma obra humana; até o fim em que todas as coisas conduzem, em última análise, à glória de Deus ; como ensinado com autoridade final e decisiva apenas nas Escrituras .

Recomendado

Como ouvimos a voz de Jesus?
2019
Sete sintomas sutis do orgulho
2019
Minha noite escura da alma
2019