Cleofas: os olhos mais importantes para Jesus

Lucas incluiu o relato da estrada de Emaús (Lucas 24: 13-35), sem dúvida, porque foi um poderoso testemunho do Jesus ressuscitado por duas testemunhas oculares credíveis (Cleópas provavelmente teria sido conhecido por muitos cristãos de primeira geração). Mas há também algo valioso para ver em como Jesus escolheu se revelar a esses discípulos tristes e cínicos.

***

Era domingo à tarde. Cleofas e seu companheiro saíram do Portão Ocidental de Jerusalém, indo em direção a Emaús. Até um observador casual pode dizer que a discussão foi intensa.

Cerca de quinze minutos na jornada, um homem que eles não reconheceram os alcançou. "Que conversa é essa que vocês estão mantendo enquanto caminham?"

Eles apenas pararam e olharam para ele, estupefatos. A execução de Jesus foi a única coisa que as pessoas estavam falando em Jerusalém. Foi o clímax trágico de uma semana de controvérsia, confronto e intriga política.

Talvez o "clímax" tenha sido prematuro. Uma nova reviravolta surgiu naquela manhã. O corpo de Jesus estava desaparecido. Nenhuma declaração foi emitida pelo Sinédrio ou pelos romanos. Havia rumores de uma ressurreição. As fábricas de fofocas estavam funcionando com capacidade total.

Cleofas disse: "Você é o único visitante de Jerusalém que não sabe as coisas que aconteceram lá nestes dias?" O homem respondeu: "Que coisas?" "Em relação a Jesus de Nazaré, um homem que era profeta poderoso em obras e palavras diante de Deus e de todo o povo."

Cleofas fez uma pausa, sentindo claramente isso profundamente, e continuou: "Mas esperávamos que ele fosse o único a redimir Israel".

Ele rapidamente enxugou os olhos e começou a andar novamente. "Sim, e além de tudo isso, agora é o terceiro dia desde que essas coisas aconteceram. Além disso, algumas mulheres da nossa empresa nos surpreenderam. Elas estavam no túmulo de manhã cedo e, quando não encontraram o corpo dele, vieram volta dizendo que eles tinham tido uma visão de anjos, que disseram que ele estava vivo. Alguns dos que estavam conosco foram ao túmulo e o encontraram exatamente como as mulheres haviam dito, mas ele não o viram ".

Eles caminharam em silêncio por cerca de um minuto. Então o estrangeiro disse a última coisa que eles esperavam: "Ó tolos, e lentos de coração para acreditar em tudo o que os profetas falaram!" Cleofas olhou para o estranho confuso. Então o homem olhou bem nos olhos de Cleofas e disse: "Não era necessário que Cristo sofresse essas coisas e entrasse em sua glória?"

Nas duas horas seguintes, esse homem estranho acompanhou Cleofas e seu amigo por toda a Escritura e explicou todas as referências ao Cristo. E, como ele fez, o fogo de sua fé que havia morrido no Gólgota voltou à vida e queimou com essa esperança familiar, a esperança de que Jesus era realmente o Cristo. Poderia realmente ser verdade? Jesus ressuscitou? Quem era esse homem que lindamente entendia tudo o que havia acontecido e, no início, parecia sem noção? Havia algo nele.

O sol estava baixo no céu à frente deles quando alcançaram Emaús. O estrangeiro deu todas as indicações de que ele pretendia continuar. Assim, os dois discípulos revividos, quase desesperadamente, pediram que ele ficasse pelo menos uma noite. Eles ficaram muito felizes quando ele concordou.

No jantar, o homem pegou um pouco de pão, separou-o e deu um pedaço para cada um. Assim que o pão tocou suas mãos, eles reconheceram quem era. Ambos ofegaram. E Jesus desapareceu.

***

Por que você acha que esses dois homens foram "impedidos de reconhecer" Jesus por horas (v. 16)? A pista, eu acho, está no versículo 25. Jesus os chamou de "tolos" e "lentos de coração para acreditar" nas Escrituras. A incapacidade externa de reconhecer Jesus espelhava a incredulidade interior do que as Escrituras revelavam sobre ele.

Agora, Jesus pretendia totalmente ajudá-los a ver. Mas observe a prioridade da revelação de Jesus: antes de abrir os olhos físicos, ele pretendia abrir os olhos do coração.

Por quê? Porque era da maior importância que "andassem pela fé, não pela vista" (2 Coríntios 5: 7).

Jesus sabia que entre sua ressurreição e o pleno estabelecimento de seu reino seria a era da igreja. Sua ascensão estava se aproximando. Isso significava que esses dois homens, todas as outras testemunhas da ressurreição, e todas as gerações de crentes vindouras não teriam sua presença corporal para prova ou orientação. Eles teriam que confiar em sua palavra "viva e ativa" (Hebreus 4:12) para "iluminar o caminho" (Salmo 119: 105). Após a ascensão, Jesus seria visto através do testemunho inerrante registrado nas Escrituras e do testemunho imperfeito de seguidores cujos olhos do coração foram abertos.

Uma última observação. Quando Deus ordena que as coisas aconteçam contrariamente às nossas expectativas (como Cleofas não espera que Jesus morra), são momentos em que somos tentados a duvidar da sua palavra - perder a fé - e, como resultado, perdemos de vista. Mas não poder vê-lo não significa que ele não esteja lá andando conosco. Podemos não reconhecê-lo. Não é o momento de negligenciar a Palavra. Em vez disso, esses são os horários para passar horas procurando. É aí que você começará a recuperar sua visão.

Confiando naquele que é paciente com todos nós, discípulos lentos em acreditar,

Jon Bloom

Diretor executivo

Recomendado

Deitado de lado o medo do homem
2019
Coloque-se no caminho da graça de Deus
2019
Três objeções aos contos de fadas e à resposta de CS Lewis
2019